MITOS E MENTIRAS SOBRE O ESTÁDIO DOS AFLITOS

Alguns integrantes da mídia pernambucana – por desconhecimento ou por má fé mesmo – têm divulgado erroneamente informações descabidas de qualquer fundamento sobre uma suposta “inviabilidade” do nosso retorno ao velho Estádio Eládio de Barros Carvalho. O alto custo da reforma e a adequação às exigências dos órgãos de segurança fariam do Estádio dos Aflitos uma alternativa “cara demais”.

MENTIRA!!!

De posse de dados técnicos VAMOS PROVAR “por A + B” que a volta aos Aflitos representará ganhos financeiros e a valorização da nossa imagem, identidade e consequente melhoria da autoestima da Nação Alvirrubra.

A primeira inverdade que vem sendo difundida nos subterrâneos das redes sociais é que precisaríamos de R$ 8 milhões (oito milhões de reais) para reabrir nossa Casa.

FALSO!!!

Na verdade a requalificação – devidamente orçada pelo grupo técnico que cuida deste assunto – identificou a necessidade de pouco mais de R$ 3 milhões (três milhões de reais), dos quais já temos R$ 1 milhão (um) em caixa e o que resta pode ser obtido de diversas maneiras, tais como:

– Antecipação das taxas de manutenção de cadeiras

– Comercialização das 1.500 cadeiras souvenir do antigo setor de Cadeiras Cativas

– Venda dos 20.000 mil ingressos do jogo de reabertura dos AFLITOS.

Só para ficar nestas possíveis receitas.

Quando nos referimos ao potencial financeiro que o Estádio dos Aflitos pode gerar para o clube é seguro afirmar que seria, no mínimo, o dobro do que a Arena Odebrecht nos pagava, cerca de R$ 400 mil /mês.

Nos Aflitos teremos também o incremento de 1.200 taxas de manutenção de cadeiras, 200 pacotes de aluguel, 150 locações em jogos e mais 3.000 pacotes de sócios e dependentes embutidos nas mensalidades.

Sem falar em um público complementar de 7.000 mil torcedores por jogo com ingresso médio de 20,00 (R$ 140 mil). Haverá também a receita das vendas de espaços publicitários que apontam rendimento de mais de R$ 9 milhões/ano.

Neste breve e simples estudo não estamos incluindo outros números, como por exemplo, das verbas que vêm da comercialização de alimentos e bebidas nos nossos bares; incremento do movimento na loja oficial do clube e os milhares de torcedores que moram no entorno do estádio que deixaram de ir aos jogos por conta da mudança para a Arena do Fim do Mundo, em São Lourenço da Mata.

Por tudo isto, Nação Alvirrubra, temos que voltar para a NOSSA CASA, de onde JAMIAS deveríamos ter saído. Aqueles que se opõem a este desejo de todo verdadeiro torcedor Timbu certamente não ama as cores VERMELHO E BRANCO.

Voltar é renascer!!!

DE VOLTA PARA OS AFLITOS, JÁ!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *