SÉRIE C: 20 ANOS DEPOIS A HISTÓRIA SE REPETE (Parte I)

E as perspectivas de queda, infelizmente, se confirmaram hoje (11), repetindo um pesadelo que já havia ocorrido há 20 anos, quando um clube do Pará, o Remo, nos colocava na Série C do futebol brasileiro. Era uma década perdida, os Anos 90. Nenhum título conquistado. Mas assim como hoje a nossa maior motivação era a reforma/ampliação do Estádio dos Aflitos.

Um dia após a queda foi iniciada uma mobilização para reconstrução da nossa história. O primeiro chamado reuniu 120 pessoas, profissionais liberais, médicos, advogados, empresários e torcedores em geral. Pedimos que eles colocassem ideias no papel para que saíssemos daquela situação. Aproveitamos o que era factível e iniciamos um grande movimento de transformação no clube.

A obra do estádio caminhava. Apesar de o clube estar praticamente abandonado. Mas o torcedor acreditou que a reforma seguiria adiante. Elencamos as ideias possíveis e surgiram os grupos da base, do CT (que não existia), da modernização do Estatuto, da autoestima, da interiorização, do torcedor infantil, entre outros. Este movimento trouxe um novo alento para que o clube não submergisse completamente.

Neste contexto surgiu a Confraria Timbu de Ouro, grupo que ficou responsável pelo resgate do futebol. Firmamos uma parceria com o São Paulo e daí trouxemos nomes como Adriano, Cláudio Milar, Carlinhos, Luciano, Marco Aurélio e tantos outros jogadores que deram uma nova motivação para a torcida, reforçando aquele time esfacelado que caiu para a Série C.

Era o início do renascimento. (Continua amanhã)

2 comentários em “SÉRIE C: 20 ANOS DEPOIS A HISTÓRIA SE REPETE (Parte I)

  1. Faço parte da Timbumac(aqui em Maceió) muito embora atualmente muito ausente. O que vejo é que precisamos realmente nos unirmos, deixando a vaidade orgulho e qualquer outra inclinação não construtiva de lado. Primeiramente o tão falado PLANEJAMENTO, ele não só precisa ser feito como acima de tudo cumprido. Correções são necessárias ao longo do caminho, mas sem ceder a pressão de torcida, imprensa ou qualquer pessoa. Investir mesmo na base, que é o alicerce de qualquer clube que almeje ser grande, ter a sintonia de departamentos e comissão técnica (rigorosa e bem escolhida). Se ater a realidade financeira do clube, sem sonhos e delírios, caminhando passo a passo para sanear os passivos. Se vamos esperar mais seis ou dez anos por título, não importa, o que vale mesmo é cada passo a frente para que quando chegar o título ou conquista eles sejam perenes, consistentes duradouros. Vamos cair verdadeiramente na nossa realidade para com muito trabalho dedicação e acima de tudo humildade, sairmos desta situação. Um bom exemplo que tenho acompanhado aqui é o CSA. Vamos a luta, a instituição CNC é maior que todos nós juntos. N.A.U.T.I.C.O🇦🇹🇦🇹🇦🇹🇦🇹

  2. É muito drama, mimimi, a Série C hoje é televisionada, os erros infantis e amadores de idiotas que não sabem fazer futebol é o mal do Náutico em todas as Séries. Um clube que tem jogadores contratados durante 10 meses no ano. Eu no cargo de Gestor do Futebol faria um time barato e bom, pois eu entendo futebol, gosto de futebol, assisto e aprendo futebol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *